quarta-feira, 25 de julho de 2012

DIABETES EM CÃES!!!!!!!!!




Existem dois tipos de diabetes mellitus em cães: a dependente e a não
dependente de insulina, ou seja, diabetes insipitus e diabetes mellitus
A diabetes insipitus é uma desordem muito rara que resulta na incapacidade de regular o conteúdo de água corporal. 
A diabetes mellitus é uma doença relativamente comum e aparece mais freqüentemente em cães de 5 ou mais anos. Existe, também, uma forma congênita que ocorre em cães, sendo muito rara (Spinosa, 2001).
 Vamos tratar aqui da diabetes mellitus.
São conhecidos dois tipos desta diabetes mellitus: tipo I e tipo II.
A tipo I, ou diabetes mellitus dependente de insulina, com perda progressiva e eventualmente completa da secreção de insulina, pelo pâncreas. Portanto, o paciente com este tipo de diabetes é conhecido
como insulino dependente. A maior parte dos cães diabéticos apresenta-se com este tipo de diabetes (Nelson, 2001).
A tipo II, ou diabetes mellitus não dependente de insulina, caracteriza-se por uma resistência à insulina e/ou células β disfuncional. A secreção de insulina pode ser elevada, baixa ou normal, mas é insuficiente para superar a resistência à insulina nos tecidos. Esta, por sua vez, é de difícil diagnóstico em cães (Cunnighan, 2004).

O Diagnóstico

O diagnóstico de diabetes mellitus baseia-se em três critérios: 

1 - 0s quatro sinais clínicos clássicos, os 4P's : 
         Poliúria-->  aumento do volume urinário, o animal passa a urinar mais.
         Polidpsia --> sede excessiva, o animal passa a ingerir mais água.
         Polifagia --> aumneto do desejo de comer. Alguns animais começam a atacar até o lixo da casa. 
         Perda de Peso --> mesmo o animal se alimentando mais, a glicose não consegue penetrar na célula, então o organismo começa a metabolizar poteína e gordura. Na diabetes tipo II, está manifestação é mais lenta.

OBS: Se tivermos um cão que está emagrecendo, mas comendo muito, bebendo muita água e urinado muito, devemos em primeiro lugar pensar na diabetes.

2- O nível elevado de glicose na corrente sanguínea. O animal deve estar em jejum de 12h, para coleta de sangue. Os níveis normais de glicose em um cão normal  varia de 80-120mg/dl. Qualquer valor acima desse, devemos pensar em diabetes.

3 - A glucosúria (presença de glicose na urina) é um grande indicativo, mas não fecha o diagnóstico pois podemos ter glicosúria renal primária, um defeito que compromete a reabsorção de glicose.

SINAIS CLÍNICOS + HIPERGLICEMIA + GLICOSÚRIA = DIABETES

Outro Sinais da Diabetes

- Catarata Diabética  --> provocada por acúmulo de glicose e de outra substância chamada sorbitol no cristalino do globo ocular. Pode ser o primeiro sintoma que o proprietário percebe. O cristalino fica “azulado” e animal fica cego.

 - Infecção urinária --> a urina rica em glicose é substrato de crescimento bacteriano.

Diabetes e Cadela:
 Se o diagnóstico de diabetes ocorre numa cadela, esta deve ser castrada o mais rapidamente possível. Um dos hormonios femininas (a progesterona) interfere com o metabolismo da glicose, sendo difícil de controlar a diabetes em cadelas não castradas. Por vezes, em animais com diabetes há pouco tempo, a castração pode levar a uma recuperação completa. Após a cirurgia é necessário controlar bem os níveis de glicose no sangue pois, a terapia com insulina pode já não ser necessária.

Diabetes e Obesidade:
 A relação obesidade e diabetes é uma relação perigosa. O aumento da massa gordurosa, principalmente abdominal (visceral) está ligada à resistência à insulina, ou seja, à maior dificuldade da insulina colocar a glicose para dentro das células. O problema se agrava se o paciente tiver predisposição genética para desenvolver diabetes, pois neste caso o pâncreas é mais suscetível à deficiência na produção de insulina.
 Pouco se sabe sobre a patogênese da resistência à insulina causada pela obesidade em cães.


Conclusão:
Suspeitando de um cão diabético, devemos fazer um exame de sangue completo, um exame de glicose e um EAS.
Após fechar o diagnóstico, o tratamento é relativamente simples. O animal diabético, pode levar uma vida normal e uma sobrevida de qualidade. O tratamento se baseia na adiministração de insulina, exercício físicos e ração balanceada. No mercado temos vários tipos de insulina, devemos encontrar uma que apresente uma melhor resposta ao paciente.

ILUSTRAÇÃO

                                                             BEBENDO MUITA ÁGUA
COMENDO MUITO, ROUBANDO COMIDA
URINANDO MUITO
EMAGRECIMENTO




Postar um comentário